terça-feira, 3 de agosto de 2010

Dengue é a doença... o cravo do defunto é a cura

Aviso: não deixe nunca de consultar um especialista e jamais se automedique!

Existe um chá que cura a dengue em poucas horas: chá de cravo do defunto, um nome sinistro que esconde um tesouro que salva vidas. Está claro que a indústria farmaceutica em geral (aquela que só pensa nas doenças e nos lucros), não quer que esta mensagem seja divulgada... mas aqui está ela, sendo transmitida a todos aqueles que aqui chegarem. Os lobby's são imensos, mas até enfermeiros, farmaceuticos e médicos de boa índole, estão procurando que a verdade seja divulgada o mais amplamente possível. Quem não está gostando muito da idéia são os fabricantes de Paracetamol... mas fazer o quê?

Eis o depoimento do dr. Radjalma Cabral de Lima, difundidor desta maravilhosa descoberta:

"Tenho acompanhado no noticiário a situação em que se encontra minha terra natal - Rio de Janeiro - devido a uma epidemia de dengue e estou oferecendo minha contribuição:Quando estava morando em Maceió, Alagoas, estive sendo monitor da ANEDE na unidade Princesa Mariana, naquela época, trabalhei em plantões nos finais de semana em um hospital da Cooperativa Pindorama, bem próximo da cidade de Penedo, ribeirinha ao São Francisco, quase em sua foz. Encontrei uma epidemia de dengue numa comunidade rural, onde a medicação não era suficiente, solicitei ao motorista da ambulância que me levasse ate uma casa onde havíamos visto uma bonita plantação de CRAVOS AMARELOS, colhemos uma boa quantidade de folhas levamos até o hospital de Pindorama,solicitei que a cozinheira preparasse um litro de chá e comecei a consultar.Todos os casos em que havia dor muscular ou articular generalizada com febre, independentemente do diagnóstico, orientei a enfermagem (perplexa),que ministrasse goles do chá ainda morno, ao mesmo tempo em que solicitei que a cozinheira continuasse preparando mais chá, conforme a necessidade.Diante da curiosidade de todos, ainda mais perplexos ao perceber que após as duas primeiras horas de atendimento as pessoas já não estavam mais com queixas; ao final da maratona reuni a equipe, agradeci a colaboração e informei que sou membro de uma instituição beneficente, onde existe uma entidade de preservação ecológica e que este serviço que faço com as ervas é em nome desta Associação Novo Encanto.Ao final de três semanas não havia mais uma epidemia de dengue e sim uma epidemia de cravo nos jardins, Situação semelhante aconteceu no ano em que trabalhei no PSF em Caruaru - Pernambuco. Atualmente, há dois anos estou em Rio Branco - Acre, Trabalhando também com medicina comunitária, onde quando responsável pela população do bairro Mauri Sérgio (900) famílias,nossa equipe dominou a epidemia de dengue em menos de um mês."

Outros nomes populares: botões-de-solteirão, cravo, cravo-francês, rosa-da-índia, tagetes e tagetes-anão.

Constituintes químicos:
carotenóides, cineol, linalol, carvona, ocimeno, dextra-limoneno, fenol, anetol, eugenol, quercetagetina.

Propriedades medicinais: analgésica, aperitiva, antiespasmódica, anti-reumática, antitussígena, imunoestimulante, laxativa, peitoral, pesticida natural, purgativa, sudorífera, vermífuga.

Indicações: acne, aliviar problemas pancreáticos e de ouvido, angina, aumentar a resistência imunológica, autismo, bronquite, cólicas uterinas, crianças com deficiência mental, espantar insetos (pulgões, formigas), espasmo, furúnculo, dores reumáticas, melhorar o apetite, prisão de ventre, problemas de aprendizagem, resfriado, reumatismo, sudorífero, tosse, vermes. DENGUE.

Obs.: usado como floral: em choques emocionais, traumas, mágoas, debilidades sensoriais.

Parte utilizada: folhas, flores.

Contra-indicações/cuidados: não há registro.

Efeitos colaterais: não há registro.

Modo de usar: para dengue, faça um chá fervendo durante dois minutos, cerca de 20 galhos em meio litro dágua. Tome morno, um copo pequeno (não tem gosto algum), a cada hora.

Nenhum comentário: