quinta-feira, 23 de junho de 2011

FEMA Anuncia um Teste em Todo Território Americano do Sistema de Alerta de Emergências

http://www.fema.gov/news/newsrelease.fema?id=55722

Um teste da FEMA a nível nacional não é brincadeira - o que está por trás disto tudo?

Lembremo-nos que a NASA liberou um alerta há pouco tempo


http://www.nasa.gov/centers/hq/emergency/personalPreparedness/index.html

Antes tinha sido também a FEMA a liberar uns avisos de emergência

http://naturologiamiga.blogspot.com/2011/01/alerta-nos-eua.html

e posterior a este, Portugal

http://naturologiamiga.blogspot.com/2010/12/folhetos-sobre-que-alimentos-armazenar.html

Apesar do anúncio ser sério não pude deixar de reparar em algumas coincidências numéricas:

- o anúncio foi liberado no dia 09/06/2011
- o número de liberação é HD 11-099
- o teste ocorrerá em 09/11/2011


Interessante, não?

13 comentários:

Diogo disse...

O Bin Laden ou o Katrina andam a preparar alguma?

Daniel Simões disse...

Depois de grupos terroristas, seria a ameaça de meteoritos... e depois a ameaça de invasão alienigena... lembras-te? Agora estamos a entrar na fase de perigos vindos do espaço! Vibrações de medo para manter o pessoal contido e controlado!!!

Anônimo disse...

Da mesma forma que pouco depois do atentado de 11 de Setembro de 2001 se emitiram avisos e testes de sistemas de resposta a emergência um pouco por todo o mundo, a captura de Bin Laden fez aumentar o risco de um ataque retaliatório por parte da Al Qaeda (e de outros grupos extremistas). Face ao aumento do risco de ataque, é natural que estes sistemas sejam testados e que sejam elaborados guias de como os diversos serviços de emergência devem reagir. Estes procedimentos servem essencialmente para preparar os serviços de emergência (caso venham a ser necessários) e sobretudo para tranquilizar o público.

Eu pessoalmente acho que não há mensagem mais tranquilizadora para a "maioria silenciosa" do que a elaboração de testes aos serviços de emergência. Os testes significam que alguém se preparou para responder a qualquer emergência que surja, o que me faz sentir muito mais descansado. Estaria muito mais apreensivo se ninguém se preparasse para nada.

Daniel Simões disse...

Graças a Deus que alguém se prepara, sim! Estranho é que, antes de grandes desastres, hajam sempre planejamentos de exercícios iguais aos desastres que depois acontecem... e ainda mais estranho é os exercícios acontecerem exatamente no dia em que os desastres acontecem. Juntando isto à coincidência de números utilizados (sempre ao redor de 9 e de 11), é natural que as pessoas mais alertas e que de forma alguma andam iludidas em relação à boa vontade governamental para com as populações, fiquem alerta em relação aos exercícios de emergência levados a cabo pelas agências governamentais.

Mas já compreendi que o cavalheiro repetidamente anónimo é daqueles que acredita nas versões oficias do 11 de Setembro e afins...

Eu gostava de saber se o cavalheiro anónimo possui algum blogue para que possa estudar as suas idéias e visões - já nem digo para saber de quem se trata porque, pelos vistos, confia tanto nas instituições de poder, mas desconfia imenso na hora de revelar a sua identidade.

Anônimo disse...

É natural que os exercícios sejam parecidos com os desastres. Os exercícios são desenhados para serem parecidos aos desastres. É exactamente esse o motivo dos exercícios: avaliar como é que os serviços de emergência reagiriam nas situações de desastre.

E já agora, diga lá quantos exercícios de treino no passado é que foram marcados para um dia em que ocorreram desastres? E se quer ser intelectualmente justo diga também quantos desastres é que aconteceram em dias em que não houve treinos e quantos treinos é que houve em dias sem desastres.

Em relação há minha identidade, está a cair num ad-hominem com uns polvilhados de apelo à autoridade (e até com um pouco de espantalho). Se tiver estudado um pouco de lógica certamente que reconhecerá estas falácias. Se quer saber as minhas motivações, saiba que pugno apenas pela racionalidade (e, em certa medida, pela honestidade intelectual).

E não me ponha a falar do argumento numerológico, que nunca mais me cala...

Já agora quantos dias (e meses, e anos) 11 e 9 é que existiram no passado SEM qualquer desastre (natural ou causado pelo homem)?

A existir uma "seita" todo-poderosa, com cariz quase omnipresente e com um plano de domínio mundial, a última coisa com que se preocupariam seria com o fazer coincidir números. Qual é a motivação, a racionalidade, por trás de tal coincidência? O que é que a seita perderia se os acontecimentos se dessem dia 12, ou dia 10, ou noutro dia qualquer?. Não é racional. É ilógico. É absurdo. Isto digo eu, que não tenho grande experiência em dominar o mundo através de conspirações subreptícias.

Daniel Simões disse...

Durante os atentados ao WTC, ao metro de Londres e em Madrid, estavam a acontecer exercícios contra possíveis ataques exatamente iguais aos que realmente aconteceram. Estranho, não?

Repare o cavalheiro que me tenho vindo a abster de dizer que é por esta, ou aquela razão que tais factos têm vindo a acontecer: somente aponto os factos. As conclusões cada um que as tire por si mesmo, se quiser... por isso, não procure associar as minhas exposições a qualquer teoria da conspiração, mas associa-as a um plano específico político que pode ser descoberto e estudado objectiva e especificamente a partir do site do Council on Foreigner Relations e seguintes ramificações.

O interessante e factual é que a relevância dos números 9 e 11 fizeram-se notar após os atentados de 11 de Setembro em várias ocasiões marcantes: se o cavalheiro fala em conspirações e ordens secretas, certamente não está-se a basear em minhas palavras, uma vez que jamais associei tais números e datas fosse com o que fosse. Só chamei a atenção para os números porque de facto eles repetem-se constantemente desde o 11 de Setembro. Só isso.

O cavalheiro afirma

"Já agora quantos dias (e meses, e anos) 11 e 9 é que existiram no passado SEM qualquer desastre (natural ou causado pelo homem)?"

Extamente!!! Não é estranho que tais datas só comecem a ficar evidentes em desastres e movimentos de emergência após o 11 de Setembro? Conclusão? Nenhuma apresento, mas é um facto!

Prezo que não tenho motivos de dominação mundial, mas todos aqueles que assim se motivaram fizeram questão de deixar as suas marcas, ou através de símbolos, de gestos, de roupas, etc. A globalização actual não deixa de agir da mesma forma e as impressões digitais estão aì, para quem as quer ver (mas eu prefiro não tomar muita atenção nas impressões digitais e ater-me aos factos comprovavéis, em fontes fidedignas e indesmentíveis - como é o caso do CFR).

Vejo que é uma pessoa inteligente, mas não sejamos ingénuos: a ganância de dominação mundial sempre existiu e sempre continuará a existir enquanto os sistemas permitirem que tal aconteça... e hoje em dia ela está maqueada pela tecnologia, mas não deixa de seguir rituais e procedimentos milenares.

Bem haja!

Anônimo disse...

Vou só fazer um último reparo:

Quantos dias (ou meses) com 11 ou 9 é que ocorreram sem qualquer desastre (natural ou causado pelo homem) DESDE 2001? E quantos desastres é que aconteceram em dias (ou meses) que não 9 e 11 DESDE 2001?

Repare que já estou a restringir muitíssimo o domínio do problema (a apenas uma década).

Aquilo que o excelso está a fazer não é apenas a apresentar factos. Está a apresentar os que lhe interessam, enquanto ignora todos os restantes. Isso constitui uma falácia conhecida como "evidência anedótica" (na verdade a evidência anedótica é uma categoria algo vasta de falácias, obterá resultados mais específicos se procurar pelo termo anglo-saxónico "cherry picking").

Daniel Simões disse...

Reformulemos a pergunta: quantos acidentes ocorerram depois do 11 de Setembro de 2001 em que os números 9 e 11 apareceram de forma revelante?

E antes de 11/09/2011?

No entanto, parece que nos estamos a distanciar do ponto em questão com esta história dos números que nada mostra, verdadeiramente. A questão é: existirá uma globalização tirânica a ser instaurada, ou não?

Quando estudamos os programas do CFR - Council on Foreigner Relations e por exemplo a Agenda 21 da ONU descobrimos muita coisa que parece indicar a tendência ao totalitarismo mundial, à dominação mundial através de um sistema tirânico que inclui o banqueiro, evidentemente.

Anônimo disse...

Custa-me imenso ver essas tendências de controlo tirânico quer nos documentos da ONU quer nas da CFR.

Os documentos da ONU falam naquilo que já se sabe há muito tempo da análise da demografia ocidental. Quando se dá educação e emprego às mulheres elas escolhem ter menos filhos. O controlo de natalidade é feito pelas próprias. Não é imposto por ninguém. Onde está o totalitarismo nisto? Compare com a política do filho único chinesa.

O CFR é um think-tank. Um grupo de opinião como muitos outros por aí. Tem uma agenda de estudo das relações entre as nações (especialmente as relações com os EUA) e, pasme-se, não tem poder nenhum. É como a amnistia internacional, ou o greenpeace, ou o heritage foundation, ou a fundação champalimaud, ou a universidade de verão do PSD, ou o instituto liberdade da universidade de Rio Grande do Sul. Nenhuma destas tem qualquer espécie de poder, sendo apenas associações de pensadores, que volta e meia publicam estudos sobre os assuntos que lhes interessam. São organizações essenciais em democracia, pois fomentam o debate público sobre os mais variados assuntos.

Não percebo como é que uma organização que não tem qualquer poder, cuja única actividade é publicar opiniões, é uma tirania totalitária.

Daniel Simões disse...

Quanto custaria para acelerar o declinio de fertilidade nos países menos desenvolvidos? (ONU - Organização das Nações Unidas)

http://www.un.org/esa/population/publications/UNPD_policybriefs/UNPD_policy_brief1.

Onde está sendo considerada a liberdade de escolha dos povos referidos neste documento?

Anônimo disse...

Um excertos das take-away finais:

"Lack of access to family planning and, in particular, to modern methods of contraception is a major cause of the persistence of high fertility as indicated by the high levels of unmet need for family planning prevalent in most least developed countries having the requisite data."

Fala em falta de acesso a médicos especializados no planeamento familiar e falta de acesso a medicamentos contraceptivos. É um mal comum dos países pobres: falta de médicos e de medicamentos.

"Expansion of access to family planning requires government commitment and effective action to disseminate information about contraceptive methods and the benefits of smaller families."

Está a dizer que os governos devem informar as populações de forma a incentivar a utilização os métodos contraceptivos. Se as pessoas estão a ser forçadas, porque raio é que os governos as terão de informar sobre os contraceptivos disponíveis?

"Investments in family planning are cost effective because of the strong synergistic effects of longer inter-birth intervals and lower fertility with other development goals. For every dollar spent in family planning, between 2 and 6 dollars can be saved in interventions aimed at achieving other development goals."

Este é o que justifica o título do documento. Apesar do seu título algo chocante este documento da ONU é apenas uma análise económica do fenómeno da fertilidade. Diz que se investirmos mais agora a informar as populações sobre os métodos contraceptivos, o dinheiro que se poupará no futuro será muito maior do que o gasto. O documento é muito parco a apresentar soluções para o controlo da natalidade. Apenas faz uma análise económica e demográfica de diversos países pobres. Quando fala nos métodos de controlo da natalidade, só o faz dizendo que os governos devem informar as populações, ou que os governos devem criar mais clínicas de planeamento familiar. Nunca falam em esterilizações forçadas ou nada parecido.

No fundo este documento é apenas um apelo para reforçar as verbas de uma série de fundos que têm o intuito de abastecer os hospitais dos países mais pobres com contraceptivos acessíveis à maioria da população.

Por isso não percebo onde vê essa tal tendência tirânica totalitária.

Daniel Simões disse...

Prezado,

confesso que tenho tido pouca disponibilidade de lhe fornecer respostas mais elaboradas, mas vou procurar elaborar um post que, para além de lhe servir de resposta a muitas das perguntas que tem vindo a colocar (e que são de extrema valia para minha própria elucidação e clareza de explicações e pontos de vista pessoais), assim como servir para clarear muitos daqueles que seguem este blogue.

Grato pela paciência, posso adiantar-lhe que não é difícil encontrar relações documentais que mostrem o evidente: que já vivemos debaixo de uma sociedade altamente controlada de uma forma tirânica e maior parte das vezes com o consentimento da própria população devido às campanhas de medo que as agências governamentais tanto se aplicam a difundir.

Anônimo disse...

I think it is important for us to understand this tendency because, however reasonable we think our own view is, there is always the possibility that we may be mistaken. Half way across, safe. Ultimately, if you are asking if it will take a long time build a wooden boat, then the answer is quite simply yes. [URL=http://lopolikuminp.com ]kneaders[/URL] Something just doesn't make sense, as in BIG PROBLEM, no ready solution; it's a buzz word anyway so let's ignore it. Boring (in a sing-song voice).